Dicionário por ordem alfabética e galeria de imagens relevantes ( fim da página).

A

  • A – nota la – acorde La maior, os países de língua inglesa utilizam a letra A , os países latinos usam La para designar a altura do som. A=La. Em 1936, uma conferência internacional recomendou que o  que se encontra à direita do  central do piano se afinasse a 440 Hz.
  1. Nota La
  2. Acorde La Maior

  • Acorde – é um grupo de notas tocadas ao mesmo tempo. A mistura das notas cria coloridos sonoros. Os acordes comumente trabalham em sequencias formando frases conhecidas como progressões, ou ainda cadencias. Os acordes formam a harmonia, um dos três pilares do mundo da musica junto com as melodias e ritmos. As principais categorias de acordes são Maior, Menor, Diminuto, Aumentado, Suspenso, Dominante. Podemos acrescentar extensões (mais notas) aos acordes que acabam virando uma escala.
  1. Lista geral dos acordes
  2. Acorde de Fa menor que forma a escala fa menor dórico

  • Adagio – Adágio é um andamento musical lento, por consequência composições musicais com esse tempo são conhecidas como adágios. Usando o metrônomo como referencia esta entre 66 e 76.
  1. Adagio da nona sinfonia de Beethoven 3º movimento
  2. Adagio em G minor de Tomaso Albinoni

Alberti Bass é uma tríade (acorde básico) tocada de forma arpejada (broken chord) em padrões de vai e volta, muito usada no período clássico. O estilo foi dado pelo nome de Domenico Alberti que adotava essa forma.

  1. Alberti Bass

  • Armadura de Clave define qual a tonalidade da música. ( Lista das tonalidades) define as notas que vão ser incluídas ao contexto bem como as que vão ser excluídas, por isso define a sonoridade.

  • Arpejo – São as notas de um acorde tocadas separadamente uma a uma. Em inglês diz-se “broken chord”. pode ser visto também como uma forma de solar (criar melodias). Improvisadores acrescentam ao acorde mais notas (extensões) para aumentar os coloridos sonoros tanto para as melodias quanto para a harmonia.
  1. Arpejos

B

  • B – nota si – acorde Si maior, os países de língua inglesa utilizam a letra B , os países latinos usam Si para designar a altura do som. B=Si
  1. Nota Si
  2. Acorde Si Maior

Bach, Johann Sebastian – importante compositor do período barroco influenciou fortemente o desenvolvimento da música tonal a partir de sua obra prima ” o cravo bem temperado”. Além de músico era também construtor de instrumentos (órgão). Em sua época estava sendo definida a organização da afinação (temperamento) de instrumentos tal como conhecemos hoje, que usamos 12 sons onde a menor distancia entre os sons é de um semitom. Essa composição traz um preludio e uma fuga (forma musical bastante complexa) para cada um destes 12 tons. Sua obra é imensa , cantatas, concertos, corais ,obras para instrumento solo, mais de mil obras. Sua influencia foi além da música clássica, muitos músicos da atualidade como Keith Jarret e Nina Simone representam o pensamento bachiano no jazz. A música Blackbird dos Beatles também reflete esse pensamento no rock.

  1. Ária na 4º corda
  2. Preludio em do maior do cravo bem temperado
  3. Boureé em mi menor
  4. Cantata BWV 202:

  • Bemol – Nota alterada um semitom abaixo. ( mais grave ). Escreve-se “b” .Isso é um resquício dos primeiros acidentes a serem introduzidos na notação musical. Na Idade Média, os intervalos de quarta aumentada (ou trítono) e segunda menor nunca eram utilizados no canto gregoriano por serem fortemente dissonantes. O intervalo entre a nota F (fá) e B (si) forma um trítono. Para evitá-lo, o B passou a ter sua afinação abaixada sempre que tocada próxima a um F. a nota B com afinação abaixada era representado na notação  por uma letra B minúscula arredondada (chamada de B suave ou B molle), enquanto que o B sem alteração era desenhado como um B quadrado – B quadratum. Isso deu origem aos nomes dos acidentes atuais bemol e seu neutralizador, bequadro.
  1. Explicações sobre o bemol

  • Bequadro – Simbolo que anula o efeito do sustenido (que torna a nota mais aguda em um semitom) ou do bemol (que torna a nota mais grave em um semitom)
  1. Exemplo do uso de bequadro

  • Blues. É um estilo oriundo dos afro-americanos no fim do século XIX. Basicamente o blues é um lamento, e o termo blues não se refere a cor azul, mas sim a um sentimento de tristeza. I´m feeling blue. A narrativa do blues se baseia na chamada e resposta, e se estrutura em ciclos de 12 compassos, o famoso 12 bar blues. com o passar do tempo evoluiu para outras formas, influenciando drásticamente o jazz e o rock. O blues tem uma escala própria que somada aos acordes que a acompanha trabalha na fronteira de tons maiores e menores ao mesmo tempo, fato inusitado até então. A fusão maior-menor causa tensões que não eram definitivamente usais antes do blues. esse choquinho de tonalidades acabou recebendo o nome de blue note.
  1. Tutoriais de blues
  • C – Nota do . acorde Do maior, os países de língua inglesa utilizam a letra C , os países latinos usam Do para designar a altura do som. Do = C
  1. Nota Do
  2. Acorde Do maior

  • Campo Harmônico são os acordes formados a partir de uma escala maior ou menor. A esses acordes são atribuídas funções de tensão e resolução. esses acordes são postos em variadas ordens, fenômeno conhecido como progressões de acordes

  • Capotraste ou capodastro – Ferramenta de apoio para violão e instrumentos afins,como guitarra, bandolim ou banjo. torna o som mais agudo sem que seja preciso mudar as posições e arranjo musical.  Significa “cabeça do braço” em italiano, também conhecido como braçadeira, ou “pestana fixa” é um dispositivo usado para encurtar as cordas e assim tornar as notas mais agudas
  1. Aula com explicações de seu uso
  2. Varios usos

  • Colcheia – É uma figura musical que representa uma determinada duração. Pode ser tanto lenta quanto acelerada.
  1. Explicações sobre a colcheia

  • Cromatismo são frases formadas a partir de todas as notas disponíveis no sistema temperado (12 sons) do re mi fa sol la si que são 7, mais os sustenidos e bemois que totalizam 12. è um otimo recurso para emendar notas que finalizam em uma nota alvo dando um fim para a frase. Escala cromática: escala com todos os sons
  1. Alguns cromatismos usados por tom Jobim

D

  • D -Nota re . acorde re maior, os países de língua inglesa utilizam a letra D , os países latinos usam re para designar a altura do som. Re = D
  1. Nota re
  2. Acorde re maior
  3. Nota re no violão
  • Dedilhado – técnica que usa os dedos polegar, indicador, médio e anular da mão direita para executar arpejos, acompanhamentos detalhados no violão ukulele,banjo etc… O dedo polegar está em movimento contrário aos outros dedos, o que facilita a execução da “linha do baixo”. Muito usado em música folk americana é tambem conhecido como fingerstyle, é usado bastante no estilo bossa nova, chorinho , rock, enfim todos os gêneros.
  1. Técnicas de dedilhado
  2. Exemplo de dedilhado ( Carol)

  • Dominante – Categoria de acorde definida como “tenso” no contexto da musica tonal. Entre duas de suas notas temos o intervalo de 3 tons, que soava como diabólico na era medieval. Os compositores deveriam achar uma resolução dessa tensão quando ela aparecia em suas melodias, para o bem prevalecer sobre o mal. Esse acorde deve ser Maior com sétima menor para gerar esta tensão. O conceito tensão resolução permeou o pensamento musical por séculos e teve varios mestres como protagonistas deste pensamento , Bach, Mozart, Beethoven por exemplo.
  1. Acordes dominantes

E

  • Enarmonia – é dar nomes diferentes a uma nota, que acaba por ter o mesmo som. Por exemplo Do sustenido e Re bemol resultam na mesma nota. Si e do bemol também são a mesma nota. O motivo para os nomes diferentes vem pelo contexto. A escala Sol bemol maior por exemplo ,é um contexto sonoro. Contém as notas sol bemol, la bemol, si bemol e si natural, além de re bemol, mi bemol e fa , mas em uma escala evitamos repetir notas (Si), o que atrapalharia o raciocínio então chamaremos o si natural de do bemol. Fica mais fluido o pensamento que segue o ordem das notas sol la si do re mi fa sol
  • Eric Clapton
  1. Eric Patrick Clapton (Ripley, 30 de março de 1945)  guitarrista, cantor e compositor britânico
  2. Riff ( Badge )
  3. Solinho fácil de Tears in Heaven
  4. Tears in heaven completo
  5. Layla
  6. Nobody knows you When you´re down and out

  • Escalas – São as notas que escolhemos para criar o ambiente sonoro – Escolha de Notas – Notas selecionadas. – A partir de uma escala podemos formar acordes e vice versa.
  1. Lista de escalas

F

  • Fauré Gabriel Urbain –  12 de maio de 1845 — Paris, 4 de novembro de 1924 Compositor francês, bigodudo, representa a transição entre o romântico e o moderno, contemporâneo de Villa lobos e Puccini. Compositor gentil e refinado tocava órgão. suas inovações harmônicas e melódicas influenciaram o ensino de música a muitas gerações. Aos oito anos sem ajuda de professor já improvisava no órgão da igreja de Montgauzy. No fim de sua vida foi ficando surdo.  foi reconhecido em França como o principal compositor da sua época.
  1. Requiem
  2. Pavane

Fermata –  em italiano, significa parada. Trata-se de um sinal colocado sobre a nota ou pausa, indicando que devemos sustentá-la em aproximadamente o dobro do seu tempo, embora na maior parte das vezes essa duração fique a critério do intérprete.

  1. Video aula e detalhes sobre fermata

  • Forma de compasso é a pulsação em ciclos de acentuação.
  1. Exemplo de forma de compasso

G

  • G – Nota sol . acorde sol maior, os países de língua inglesa utilizam a letra G , os países latinos usam sol para designar a altura do som. Sol = G
  1. Nota sol
  2. Acorde sol maior

  • Gregoriano , canto. Na idade média ( século V ao  XVI ),  Igreja Católica esteve bastante presente na sociedade europeia e ditava a conduta moral, social, política e artística.  A música teve uma presença marcante nos cultos católicos. O Papa Gregório I – século VI – classificou e compilou as regras para o canto que deveria ser entoado nas cerimônias da Igreja e intitulou-o como canto gregoriano. “Quem canta reza duas vezes” dizia Santo Agostinho. O canto gregoriano é homofônico ( embora sejam muitas pessoas cantando todos cantam a mesma coisa). É modal ( música tonal usa escalas maior e menor, musica modal usa outras escalas também, os modos eclesiásticos). A capella (não tem nenhum acompanhamento). As letras são em latim especialmente e em grego.
  1. Canto gregoriano com partitura
  2. Entenda melhor as partituras antigas

  • Groove – Pulsação constante ,com repetição de modelos rítmicos, mas repetições em termos , pois são criadas variações de acentuações que criam universos rítmicos bastante variados. Apesar de não mudar a forma de compasso, em tese, na pratica criam se mil formas de compasso. Esses padrões constantemente alterados criam um fenômeno conhecido como swing, esses padrões “quebrados” são difíceis de definir ou de escrever portanto passam a ser puro sentimento (feeling). Formas rítmicas diferentes surgem por todos os lados, todas instigam a dança e a liberdade.
  1. Explicação. o que é groove?
  2. James Brown Get on up
  3. Stevie Wonder very superstitious

H

  • Harmonia – Duas ou mais notas tocadas ao mesmo tempo. Arte de combinar as notas formando, acordes, progressões, e preenchimento sonoro.

  • Hemíola – é um padrão rítmico o onde dois compassos de 3 tempos são articulados como se houvesse três compassos de 2 tempos. è uma forma de encaixar um momento binário em um contexto ternário.
  1. Sonata de Mozart nº 12 K332 em fa maior ( no um minuto e dezoito segundos tem uma hemíola

I


J

  • Jônico – modo Jônico :nome antigo para a escala maior. Nesse modelo antigo a escala não atribui funções a seus acordes, não acontecem mudanças de tonalidade, nem a presença de acordes preparadores (dominantes). Já no seu modelo mais recente a partir do período barroco, seu uso passa a privilegiar o uso de acordes e suas funções (Harmonia funcional) onde existem hierarquias nas funções dos acordes, além do vasto uso de tensões e resoluções. Antigamente as escalas ou modos (sinônimos) se baseavam mais no dissertação melódica. No seu modo moderno os acordes tem mais importância. Medida da escala: Fundamental/tom/tom/semi/tom/tom/tom/semi/
  1. Vários exemplos desta escala aqui

K

  • Köchel – É um catálogo das obras de Mozart .  organizado em ordem cronológica para facilitar as referências das obras. Conhecido como índice Köchel o nome vem do criador deste índice. Ao lado do nome da obra aparece simplesmente a letra K.
  1. Mozart, Piano Sonata in C major, No 16, K 545,

L

  • Largo – é o andamento musical mais lento. sua correspondência no metrônomo é entre 40 e 60 batidas por minuto
  1. Exemplo de Largo de G.F. Handel na ópera Xerxes
  2. Largo da sinfonia do novo mundo de Dvorak nº9 em mi menor

M

  • m – m minúsculo colocado ao lado de uma nota, designa a categoria de um acorde menor. por exemplo, Am = la menor.
  1. Vários acordes menor na nossa lista de acordes. conheça-os

  • Melisma – Várias notas para cada sílaba
  1. coletânea de melismas

  • Melodia – São notas postas em sequencia que formam frases. (uma nota de cada vez). Flauta, saxofone, trombone etc… são instrumentos melódicos. É uma sucessão coerente de sons e silêncios, que se desenvolvem em uma sequência linear formando frases com identidade própria. É a voz principal que dá sentido a uma composição. Encontra apoio musical na harmonia e no ritmo. Lista de melodias relevantes para aprender

  • Modal – Música baseada em uma escala (modo) . Essa escala tem uma nota que prevalece ou nota central que se faz presente o tempo todo. Os acordes na música modal não tem função específica portanto a forma de ordená-los não tem uma forma definida nem uma hierarquia, especialmente na questão do conceito tensão resolução, onde um acorde tenso necessariamente deve ser seguido de um outro acorde mais ameno. ( regras da música tonal). A música modal é típica da idade media, época em que os instrumentos eram mais rudimentares e não propiciavam muito o desenvolvimento de acordes ou “harmonia”. Do período barroco em diante, com o surgimento dos instrumentos de tecla, no ocidente a linguagem dos acordes se desenvolveu muito e os modos jonico e eolio receberam o nome de “maior” e “menor”, os acordes passaram a ter funções (Harmonia funcional) e regras em sua movimentação. A musica modal e suas muitas escalas caiu em desuso na europa, mas no Oriente continuou a ser usada. A partir do século XIX os compositores revisitaram a música modal, sofisticando-a, e isso se seguiu adentrando o mundo do jazz, blues e rock. Hoje em dia a música tonal e modal estão bastante misturadas deixando as analises bastante sujeitas a interpretações.
  1. Explicação e exemplo sobre musica modal
  2. Musica modal da atualidade

N

  • Neuma – 2 notas para cada sílaba

O

  • Oratório –  é um gênero musical dramático, sem cenários e sem figurinos. Geralmente composto para solistas, coro e orquestra, às vezes com um narrador, geralmente trata de um assunto religioso (Bíblia), mas também pode lidar com temas seculares (mitologia ou história).
  1. Oratório messias de Handel – For unto us the child is born
  2. Beethoven oratorio christ on the mount of olives op 85 (composto em 1803)

  • Opus – É um índice das obras de um compositor em ordem cronológica. por exemplo Sinfonia Eroica de Beethoven em Mi bemol maior nº3 opus 55. Mas alguns compositores tem seu índice feito de outra forma ou por uma pessoa que não é o próprio compositor, que é o Bach que tem o indice B.W.V. , ou Mozart que tem o índice Köchel.

  • Organum – é o canto gregoriano ( confira na letra G deste dicionário) evoluído, onde entram mis que uma voz ao mesmo tempo ( polifonia)
  1. Organum a duas vozes

  • Orquestra – Filarmônica angaria recursos de simpatizantes ou amigos do grego “Philos” é um pouco mais “empresarial” . Orquestra sinfônica gera recursos de fontes governamentais. A orquestra de câmara é composta por poucos instrumentos, destinada a apresentação no interior de edificações, para um público mais reduzido. Uma orquestra terá, tipicamente, mais de oitenta músicos, em alguns casos mais de cem, ajustando-se de acordo com a obra

P


  • Pentatônica, (escala) Seleção de 5 notas. escala de 5 sons
  1. Como montar uma escala pentatônica


  • Preludio. É uma peça musical que antecede uma outra. Um famoso exemplo são os prelúdios e fugas e J.S.Bach. Como as fugas são formas complexas e exigem concentração tanto do público como de que quem a executa, os prelúdios funcionam para preparar o clima geral. Uma espécie de abertura também para aquecer os dedos. Mas aos poucos os preludios foram virando peças independentes como é o caso dos prelúdios de Chopin.
  1. Preludio em do maior de Bach do Cravo bem Temperado
  2. Prelúdio de Chopin para bandolin

  • Presto – É um andamento musical, significando “rápido” ou “muito depressa”. As indicações do tempo variam entre 170 e 200 batidas por minuto (famoso Bpm). Quando o objetivo é fazer o andamento ainda mais rápido, entre 200 e 208 batidas por minuto, utilizamos o prestissimo.
  1. Presto da sonata ao luar de Beethoven (Valentina Lisitsa)
  2. Presto de Vivaldi das quatro estações

  • Progressão – Acordes postos em sequencia formando frases. Embora atuem em harmonia com as melodias, os acordes formam seus próprios caminhos. Assim a mesma melodia pode ser harmonizada de várias formas. Da mesma forma melodias diferentes podem ser feitas a partir de uma sequencia de acordes.
  1. Exemplos e explicações sobre progressões de acordes

  • Pulsação – Tic tac constante – Referencia de andamento, a pulsação pode ser imaginária ou concreta e sem dúvida a consistência de uma pulsação regular define a qualidade da execução. Para ter a referência da velocidade da pulsação usamos o metrônomo.
  1. Video aula sobre pulsação

Q

  • Queen  banda britânica de rock, fundada em 1970 e ativa até 1991. Formação Brian May (guitarra e vocais), Freddie Mercury (vocais e piano), John Deacon (baixo) e Roger Taylor (bateria e vocais) 
  1. Crazy little thing called love
  2. Love of my life
  3. Love of my life tutorial
  4. We are the champions
  5. We are the champions analise harmônica

R

  • Réquiem –  vem do latim “requies” que significa descanso. é uma Missa da Igreja Católica oferecida para o repouso da alma ou alma de uma ou mais pessoas falecidas, É frequentemente, mas não necessariamente, celebrada no contexto de um funeral.
  1. Requiem de Gabriel Fauré
  2. Requiem de Mozart

  • Renascentista, período – período que abrangeu, aproximadamente, os anos de 1400 a 1600. Evolui de linhas melódicas sem o uso de acordes, como os cantos gregorianos, para o uso de várias vozes ou polifonia, sendo assim o primórdio do uso de acordes. Foi uma época que apareceram vários instrumentos novos.
  • Ritmo – Arte de controlar a duração dos sons e dos silêncios.
  1. Ritmos e explicações

S

  • Sfz vem de Sforzando. é uma acentuação repentina. é uma marca que indica que uma nota deverá ser reproduzida com maior intensidade que outras 

  • Seminima É uma figura musical que representa uma determinada duração. Pode ser tanto lenta quanto acelerada.
  1. Semínima em mais detalhes

  • Sincope – É o deslocamento do tempo forte para o tempo fraco anterior. Em um compasso de 4 tempos usualmente o tempo forte se manifesta no primeiro tempo. Sincopado o tempo forte se transfere para o 4º tempo do compasso anterior dando uma esticadinha até o segundo tempo do próximo compasso. O primeiro tempo que seria o fortão fica órfão de acentuação e isso causa um efeito conhecido como swing muito usado no jazz. Acontece muito também no rock nos power chords mas não seria swing no caso haha.
  1. Síncope (vídeo com exemplo)

  • Sonata vem do italiano “sonare” se refere a musica instrumental, diferente de cantata que é musica vocal. No período clássico a sonata tinha uma forma específica. Tendo como característica principal os grandes contrastes provocados por significativas variações de tons e temas, sua estrutura sendo rígida e deveria seguir essa sequencia : primeiro movimento – Tema I – Tema II -Desenvolvimento -Tema I -Tema II – Coda (finalização) segundo movimento mais lento, geralmente em forma de variações; terceiro movimento dançante, movimento final, de caráter enérgico e conclusivo.
  1. Sonata nº 10 in G maj, Op.14 Beethoven
  2. Mozart sonata em C K. 545 segundo movimento
  3. Beethoven sonata ao luar terceiro movimento

  • Sotto voce – volume baixo. Significa sob a voz.
  1. citando como exemplo o quarteto nº 15 opus 132 de Beethoven em seu terceiro movimento

  • Sub V – É o acorde substituto do dominante ( tenso – preparador ) que está a um tritom de distância e que por sua vez tem o mesmo tritom, sendo assim os dois tem a mesma essência e substituem um ao outro. Exemplo o acorde G7 pode ser substituído pelo C#7 uma que que os dois contém o tritom Fa – si.
  1. Exemplo com tutorial
  • Sustenido – Nota alterada um semitom acima. (mais aguda)
  1. Explicações práticas
  2. Sustenido. O que é isso?

T

  • Tacet: indica um período de tempo que o instrumento ficará em silencio, na espera de sua vez para participar da música. A palavra é em latim e significa -sillêncio-.
  • Telemann,Georg Philipp , compositor alemão do período barroco (1600-1750), auto didata, foi músico sem apoio da família. Tinha a admiração de seu contemporâneo, J.S. Bach que deu o nome Philipp a um de seus filhos. Sua obra é gigante, por exemplo 500 hinos harmonizados para corais além de obras educativas para organistas. É um dos compositores mais prolíficos da história da música. Sua carreira musical era próspera, mas sua vida pessoal complicada. Sua primeira mulher morreu pouco depois de sua casamento, e sua segunda mulher além de adultera, era viciada em jogos e acumulou dividas enormes, para depois abandoná-lo.
  1. Cannon tocado pelo duo abreu (violão)

  • Transposição -, refere-se ao processo de se modificar a altura de uma nota ou várias, mas mantendo o mesmo intervalo de forma proporcional. Por exemplo do re mi é proporcional a sol la si ou mi fa# sol#. os intervalos são iguais entra si. Quando se transpõe uma música, modifica-se também a tonalidade em que ela se encontra.
  1. Aula de fraseado e transposições

  • Tríade – conjunto de 3 notas que estruturam a formação de os acordes. Do ponto de vista básico temos 5 categorias. Maior, Menor, Diminuta, Aumentada e Suspensa.
  1. Tríades e alguns de seus usos
  • Turnaround é um ciclinho de acordes que emenda uma parte da música com a outra. Uma progressão que preenche um espaçõ vazio
  1. Turnaround para a progressão A7+ F#7 Bm E7alt

U

  • Ukulele – instrumento havaiano de 4 cordas. Se assemelha ao violão mas tem som mais agudo, precisamente na area da casa 5 do violão. Se colocarmos um capo na casa 5 do violão e ignoramos as cordas la e mi teremos praticamente um ukulele. Tem de 4 tamanhos principais, o soprano menorzinho, o concerto crescendo de tamanho , o tenor e o barítono maiores. Sua afinação é la mi do sol. do agudo para o grave. A corda sol geralmente aguda por vezes é trocada por um sol grave se assemelhando mais ainda ao violão.
  1. Ukulele musicas tutoriais e generalidades aqui

V

  • Variação – é uma técnica de composição em que altera-se um tema de múltiplas formas, tanto em ritmo, notas, timbre, etc… Tema com variações é uma forma musical na qual a ideia musical fundamental ou tema, é repetida de forma alterada ou acompanhada de maneira diferente.
  1. Variações Goldberg de Bach
  2. 32 Variações em do menor de Beethoven

  • Vivace – indicação de tempo. a pulsação vai de acordo com o metrônomo entre 140 a 159 ou seja é uma pulsação rápida e viva.
  1. Vivace da sinfonia numero 7 de Beethoven

W

X

Y

Z

Galeria de Imagens